Você está em: Testemunhas de Jeová // A Tradução do Novo Mundo e suas perversões

A Tradução do Novo Mundo e suas perversões

Os principais eruditos do mundo nas línguas originais sabem as manobras teológicas da TNM, e por isso não a recomenda; estou falando de eruditos sérios! Quando uma palavra do texto original não se enquadra nas aberrações doutrinárias da STV ela imediatamente abandona os originais e sai à procura de outras traduções que dão apoio à sua crença. Vamos citar agora alguns argumentos levantados pela STV, afim de negar a divindade de Cristo em João 1:1. Dizem elas:

“Ademais, este versículo da Bíblia diz que “a Palavra” estava “com” Deus. É razoável concluir que isto significa que ele não é esse mesmo Deus” ( A Sentinela 01/11/1991 pág. 23)

“ ‘Mas não é Jesus chamado de deus na Bíblia’ ? poderá perguntar alguém. Isto é verdade. Contudo Satanás também é chamado de deus. (2 Coríntios 4:4)” (Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra pág. 40 )

São vários os argumentos levantados para contradizer o prólogo de João que reza literalmente que “o verbo (Jesus) era Deus”. Vamos explaná-los aqui de forma sistemática:

1) Dizem que algumas traduções inclusive a deles traduzem “deus” com letra minúscula e não “Deus” com maiúscula, portanto isso significa que Jesus não é o Deus “Todo-poderoso”.

2) Dizem que outros seres são similarmente chamados na Bíblia de “deus”. São chamados de deuses poderosos: os juízes, os anjos, Satanás e finalmente Jesus.

3) Dizem que Jesus é chamado de “um deus” portanto diferente de Jeová que é o verdadeiro Deus.

4) Dizem que no original grego “Theós”, Deus em português, referindo-se ao Pai, vem precedido do artigo definido “o” enquanto que Theós referindo-se a Jesus vem sem o artigo, portanto se sentem justificados em acrescentarem o artigo indefinido “um” em relação a Jesus. Com isso insinuam que Jesus não é Deus mas um ser meio divino, que apenas possui as qualidades deste.

5) Dizem que Alguém que está “com” outra pessoa não pode ao mesmo tempo ser aquela outra pessoa”.

“ Portanto, o texto não diz que a palavra (Jesus) era o mesmo que o Deus com quem estava, mas, antes, que o verbo (a palavra) era semelhante a um deus, era divino, era um deus.” (Raciocínios à Base das Escrituras pág. 213 )

Antigamente as TJs tinham muita dificuldade em empurrar nas pessoas a idéia herética de que Jesus não era Deus pois a Bíblia que elas usavam: a versão “King James” em inglês, traduzia clara e corretamente que “o verbo era Deus” Mas esse problema acabou quando fabricaram a sua própria versão da Bíblia onde contrabandeou para dentro dela todas as idéias heréticas do seu fundador e primeiro presidente Charles T. Russell. É claro que João 1:1 tinha de ser reinterpretado ao gosto russelita, pois tal versículo complicava e muito a teologia da seita; então resolveram tirar Jesus da posição de Deus verdadeiro e reduzi-lo a um mero deusinho, subordinado a Jeová e igual a Satanás. Tentando arrumar esta aberração elas comentam :

” Em muitas traduções esta expressão reza simplesmente: “O Verbo [a palavra] era Deus” e é usada para apoiar a doutrina da Trindade. Não surpreenda que os trinitaristas não gostem da versão apresentada na Tradução do Novo Mundo.” e acabam entregando-se quando dizem: ” Mas João 1:1 não foi falsificado a fim de provar que Jesus não é o Deus Todo-poderoso. As Testemunhas de Jeová, entre muitos outros, já objetavam a usar “deus” com letra maiúscula muito antes de surgir a Tradução do Novo Mundo, que se empenha em traduzir com exatidão a língua original.” ( A Sentinela 01/03/1991 pág. 28 )


QUÃO CONFIÁVEIS SÃO ESSAS VERSÕES?

As traduções que as Tjs alegam ter similaridade com a delas são na maioria traduções de teólogos liberais que nem ao menos crê em toda a Bíblia, de membros de seitas que negavam a divindade de Cristo ou traduções delas mesmas. Das milhares de línguas e dialetos em que a Bíblia está traduzida atualmente a STV conseguiu catalogar (na brochura Deve-se crer na Trindade ?) apenas nove para tentar inculcar na mente dos incautos de que sua tradução é a mais correta. Ainda na mesma página da revista supra citada, apresentam mais cinco traduções espúrias como a delas. Essas traduções aparecem citadas em parte em A Sentinela 01/06/1988 página 17 e na brochura Deve-se Crer na Trindade ? página 27.

“De modo similar, cinco tradutores da Bíblia, alemães, usam a expressão “um deus” naquele versículo. Pelo menos 13 outros usaram expressões tais como “da espécie divina” ou “da sorte semelhante a deus” Essas traduções concordam com outros trechos da Bíblia para mostrar que Jesus no céu, é sim um deus, no sentido de ser divino”


EM QUE SE BASEIA A TNM?

No livro, “Raciocínios à Base das Escrituras” na página 394 asseguram que para a tradução do N.T, chamado na TNM de Escrituras Gregas Cristãs, usou-se o texto dos eruditos ingleses, Westcort e Hort, para basearem sua tradução e também no livro ” Toda Escritura é Inspirada por Deus e proveitosa ” na página 310 acrescentam ainda que usaram este texto para assegurarem “a máxima exatidão possível”. Acontece porém, que o texto grego de Westcort e Hort não concorda com essa perniciosa tradução feita pelas TJs. Veja a opinião do próprio Westcort sobre João 1:1:

” O predicado (Deus) encontra-se na posição inicial enfaticamente, como em João 4:24. É necessariamente sem o artigo…Nenhuma idéia de inferioridade de natureza é sugerida por essa forma de expressão, que simplesmente afirma a verdadeira deidade da palavra…na terceira cláusula declara-se que ‘a palavra’ é ‘Deus’, e assim incluída na unidade da divindade”

Veja o leitor que quando o texto grego do qual se basearam para traduzir João 1:1 não concordava com suas crenças, eles imediatamente abandonaram-no e saíram a procura de subtraduções que concordassem com o pensamento herético deles. Neste caso, Westcort e Hort, já não assegurava tanta exatidão!

Vamos analisar agora algumas versões citadas na brochura “Deve-se Crer na Trindade ?” página 27.

a) ” 1808: “e a palavra era um deus” The New Testament in an Improved Version, Upon the Basis of Archbishop Newcom’es New Translation: with a Corrected Text.”

Esta versão foi feita por um unitarista. O Unitarismo é uma seita que nega veementemente a doutrina da Trindade e conseqüentemente a Divindade de Cristo. É suspeitadíssima sua erudição.

b) “1864: “e um deus era a palavra”. The Emphatic Diaglott, versão interlinear, de Benjamin Wilson.”

Esta versão é largamente usada pela STV, entretanto elas escondem que Benjamin Wilson era Cristadelfiano. Essa seita também negava a divindade de Cristo. A propósito, em : “A Sentinela” de 01/11/1990 na pagina 6 sob o tópico “O Diabo das Escrituras” diz : ” Alguns contudo, negam a existência dum Satanás qual pessoa, preferindo dizer: “A natureza humana, com sua propensão ao pecado, é o diabo das escrituras.”*

Contudo no rodapé da referida página elas acusam os que professam tal doutrina taxando-os de seita: “Declaração oficial da crença do cristadelfianismo, uma das seitas da cristandade.”

Querem colocar o cristadelfianismo como parte da cristandade ou seja tentar confundi-la com as igrejas evangélicas, protestantes e católicas sendo que eles é que usam fartamente as idéias dos cristadelfianos através da versão de Benjamin Wilson. Mas o pior de tudo é que neste contexto, elas tentam provar que Satanás é uma pessoa e não uma influência do mal, o pecado, ou uma força, ao passo que em suas publicações fazem ao contrário em relação ao Espírito Santo, chamando-O de “a força ativa de Jeová” (Isaías 5:20). Dizem: “O Uso que a Bíblia faz de “espírito santo” indica que se trata duma força ativa controlada que Jeová Deus usa para realizar uma variedade de propósitos.

Até certo ponto pode ser comparada com a eletricidade, uma força que pode ser adaptada para realizar grande variedade de operações.” e concluem: “Não, o espírito santo não é uma pessoa…” (Deve-se Crer na Trindade ? págs. 20 e 23). Podemos chamá-los com razão de verdadeiros apologistas do Diabo, ao passo que ao mesmo tempo que defendem a personalidade do Diabo, negam a do Espírito Santo, lançando mão dos mesmíssimos argumentos! Pergunto: isso não é desonestidade?!

c) “1935: “e a palavra era divina” The Bible –An American Translation, de J. M. P. Smith e E. J. Goodspeed.”

Esta foi feita por um teólogo liberal que nem ao menos cria em toda a Bíblia, e por sinal rechaçou a Bíblia das TJs em muitos pontos.

d) “1950: “e a palavra era [um] deus.” Tradução do Novo Mundo das Escrituras Gregas Cristãs.”

Esta última foi fabricada pelas próprias Tjs, portanto totalmente corrompida e tendenciosa.

Das nove traduções exibidas na brochura, essas cinco são logo de cara, suspeitíssimas pelos vários motivos expostos acima. Ademais nenhum perito da língua grega apóia esta tradução deturpada e blasfema.

Autor : Prof. Paulo Cristiano

Share Button

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,


Fatal error: Uncaught Exception: 12: REST API is deprecated for versions v2.1 and higher (12) thrown in /home/admin/domains/palavradaverdade.net/public_html/site/wp-content/plugins/seo-facebook-comments/facebook/base_facebook.php on line 1273