Você está em: Notícias Gospel // Igreja Católica tem queda recorde no percentual de fiéis

Igreja Católica tem queda recorde no percentual de fiéis

Em 2000, tinha quase 125 milhões de seguidores. Dez anos depois, apareceu com menos 1,6 milhão de adeptos.

– Ainda assim, dois em cada três brasileiros declararam ser adeptos da religião católica –observa Cláudio Dutra Crespo, da Coordenação de População e Indicadores Sociais do IBGE.Catolicismo

Os dados sobre religião são obtidos por meio de amostragem.

Aumento de 70,2% no percentual de pessoas sem religião desde 1991

Depois de católicos e evangélicos, o maior grupo é dos que se declararam sem religião, que representa 8% da população de 190,7 milhões de brasileiros. Houve um aumento de 8,1% entre os censos de 2000 e 2010. Tendo em vista o recenseamento de 1991, o crescimento deste grupo foi de 70,2%. Entre os sem religião, 615 mil se declararam ateus e mais de 124 mil, agnósticos. Uma curiosidade é que 15,3 mil têm mais de uma religião.

– Geralmente são católicos e espíritas ou católicos e umbandistas – explica Crespo.

A população espírita passou de 1,3% (2000) para 2% (2010). Os seguidores da umbanda ou do candomblé são 0,3%, o mesmo percentual registrado no levantamento anterior. Segundo o IBGE, 2,7% seguiam outras religiões e 0,1% da população não declarou ou não soube qual era sua religião. Em 2000, estes percentuais eram de 1,8% e 0,2%, respectivamente.

“Os resultados do Censo Demográfico 2010 mostram o crescimento da diversidade dos grupos religiosos no Brasil, revelando uma maior pluralidade nas áreas mais urbanizadas e populosas do país”, concluiu o estudo do IBGE no texto de divulgação dos resultados.

Maior proporção de católicos é de pessoas com mais de 40 anos

Segundos os dados do Censo 2010, a idade mediana dos católicos apostólicos romanos é de 30 anos e dos evangélicos pentecostais – da Assembleia de Deus, Igreja Universal do Reino de Deus, Nova Vida, etc – é de 27 anos. Já a idade média dos evangélicos de missão – luteranos, presbiterianos, metodistas, batistas, etc – é de 29 anos.

Os espíritas são o grupo religioso com idade mediana mais elevada, 37 anos, e os sem religião, a mais baixa, 26 anos. Seguidores da umbanda e do candomblé têm idade mediana de 32 anos.

A proporção de católicos foi maior entre aqueles com mais de 40 anos. A explicação é, segundo o IBGE, que estas gerações se formaram em períodos de maior hegemonia católica. Os evangélicos tiveram suas maiores proporções entre crianças e adolescentes. No caso de menores de 10 anos de idade, era considerada a mesma religião da mãe.

Os dados do IBGE mostram que católicos e aqueles sem religião são os únicos grupos com maiores porcentagens de homens que de mulheres. Entre as pessoas de sexo masculino, 65,5% seguem a doutrina do Vaticano, e 9,7% não seguem nenhuma instituição religiosa. Entre as mulheres, esses percentuais são de 63,8% e 6,4%, respectivamente. Nos demais grupos, as pessoas do sexo feminino formam a maioria dos contingentes declarados.

Espíritas é grupo com indicadores de educação e renda mais elevados

Um cruzamento entre renda e religião permitiu avaliar que 55,8% dos católicos com 10 anos ou mais viviam com até um salário mínimo, embora evangélicos pentecostais (63,7%) e os sem religião (59,2%) sejam maioria nesta faixa. Entre as classes de rendimento acima de cinco salários mínimos, 19,7% se declararam espíritas. Este grupo religioso possui também a maior proporção de pessoas com nível superior completo (31,5%), além de ter as menores percentagens de indivíduos sem instrução (1,8%) e com Ensino Fundamental incompleto (15%).

Os católicos e os sem religião foram os grupos que tiveram os maiores percentuais de pessoas de 15 anos ou mais de idade não alfabetizadas (10,6% e 9,4%, respectivamente).

“Entre a população católica é proporcionalmente elevada a participação dos idosos, entre os quais a proporção de analfabetos é maior”, explica a publicação do IBGE.

Parda é cor mais presente entre pessoas sem religião

O IBGE também fez um cruzamento entre raça e religião. A maior representatividade de brancos foi verificada entre os espíritas (68,7%). Entre os umbandistas e candomblecistas, os negros somavam 21,1%. É a maior proporção de pessoas desta cor em um grupo religioso.

“Este patamar guarda relações com as origens da introdução desta religião no Brasil. O mesmo ocorre com os evangélicos de missão, que têm em seu conjunto 51,6% de pessoas que se declararam brancas. A origem desta religião, sobretudo do segmento vinculado aos imigrantes europeus, explica em parte essa associação”, diz o texto do IBGE.

Entre as pessoas sem religião, a declaração de cor mais presente foi parda (47,1%), assim como dentre os evangélicos pentecostais (48,9%).

Fonte: O Globo

Share Button

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,