Você está em: Colunistas, Luiz Soper // O Amor de Deus Nunca Falha

O Amor de Deus Nunca Falha

jesus

Eis que chega mais um final de ano. O ano de 2015 está findando e logo se iniciará 2016. Mais uma vez passa em minha mente, aqueles pensamentos de final de ano que todos começam a desejar novamente: que o ano que vem seja repleto de paz, de amor, de união, de compreensão, de saúde, que eu consiga uma namorada, que eu tenha uma nova vida com Deus e tudo mais…

Mas ao mesmo tempo que parte de mim fica na expectativa por um ano melhor, outra parte se entristece a cada ano. Sim, não sei explicar exatamente, mas tenho alguns episódios natalinos que me fizeram nos últimos 6 natais, me sentir triste, uma espécie de “depressão natalina”.

Tirando os fatos da família, talvez seja por ser uma época que refletimos mais e passamos a rever tudo o que desejamos no ano anterior, fazendo aquele balanço anual e vendo onde progredimos e onde regredimos, ou ficamos no empate. O problema não seria apenas refletir em erros ou acertos, progressos ou regressos, mas sim se dar conta de que a cada ano mais que se passa, menos amor, compaixão e valores nos restam. Quanto mais o tempo passa, menos temos a oferecer e mais esquecemos da nossa essência.

Cada vez mais se cumprem as escrituras. A Bíblia sagrada continua a nos mostrar a verdade indiscutível de que “o amor se esfriará”. O natal se tornou mais presentes e menos sentimentos, mais gastos em festas do que um jantar em família, se tornou mais fogos de artifício e menos brilho nos olhos. Natal virou mais shows e menos cantatas, mais desperdício de comida e menos doações aos necessitados. Mas isso tudo revela apenas o reflexo da humanidade atual.

A que ponto chegamos não é mesmo? Que ponto deplorável de humanidade que se arrasta pelas décadas cada vez mais pobre de espírito e medíocre de coração, que se torna cada vez mais vazio de sentimento.

Uma data linda, que nos resgata o nascimento do nosso Jesus, nosso Cristo, que nos deu a vida, morrendo por todos nós na cruz, para pagar por nossos pecados que hoje, são os protagonistas da maioria as nossas vidas. O natal deixou de ser uma data sentimental e passou a ser comercial, claro que isso não vem de pouco tempo, isso já vem de muitos anos.

Mas a maior hipocrisia de tudo isso, é que nesta data lembramos d’Aquele que nasceu para morrer por todos nós, para nos livrar do pecado, que justamente nesta data, é o que mais aflora em nosso ser ou na maioria dos casos. A arrogância, avareza, ganância, luxúria, inveja, prepotência, soberba e muito mais…

Me dói ler as escrituras quando percebo que tudo isso só tende a piorar a cada ano que se passa. Mas será que podemos fazer algo para mudar? Sim claro, tentamos, mas somos insuficientemente capazes de mudar a humanidade. Sim, teremos nosso fim um dia, e não resta muito tempo a nós, pois pelos sinais a cada ano, sabemos que Cristo está voltando.

O que podemos fazer então? Podemos fazer nosso papel, de levar a palavra de Deus a toda e nova criatura, pregar sobre Jesus e seus ensinamentos. Ajudar aos que necessitam. Curar os corações feridos, que são muitos, ajudar a acalmar as mentes atribuladas, trazer a luz e a paz que esse mundo precisa, pelo menos na quantidade e qualidade máxima que pudermos, até que se cumpra todas as escrituras.

Fico as vezes tentando imaginar o que Deus deve estar pensando, sentindo, sofrendo, ao ver Sua criação tomar rumos tão destrutíveis e aniquiladores. Quais os motivos de tanta autodestruição e destruição de valores e princípios…

Enfim, natal era pra ser aquela data especial que todos aguardam durante o ao não para receber um presente, mas para reconhecer um dos maiores presentes que já ganhamos antes mesmo de nascer, que foi o nascimento de um Salvador.

Deus tem mesmo que ser um Deus e muito amor e muita compaixão, para aturar essa humanidade desprezível, assistir suas fracassadas tentativas de ser um “deus”, sem ao menos ter um pouco de humildade para ver, experimentar e reconhecer o poder do Deus supremo. O que mais me entristece é saber que muitas pessoas não vão aceitar a Cristo, vão o rejeitar e em sua falta total de fé, não terão a oportunidade de conquistar a vida eterna. Eu fico mais triste por essas almas que serão perdidas no mundo, do que as que vivem falsamente dentro das igrejas, pelo simples fato de que as que vivem nas igrejas pelo menos tiveram a oportunidade de conhecer a Deus e experimentar uma nova vida, se não o fizeram, não foi por não conhecer a palavra tampouco de não a ouvir ou ler.

As vezes fico tentado chegar a uma conclusão sobre o que seria melhor ou menos pior? Ter a chance de conhecer a Cristo e ter uma vida nova e não aceitar isso, ou viver na falta de fé, não experimentado ou aceitando o que não se conhece. Acredito que pecamos mais quando conhecemos o caminho, a palavra, a vida cristã, e não aceitamos ou rejeitamos, do que se eu fosse um ser que nunca tivesse conhecido a palavra. Uma frase que ouvi em um seminário do pastor Marcos Witt há alguns anos, antes de ter lido na Bíblia, nunca me saiu da cabeça. Ele disse o seguinte: “Como ouvirão, se não há quem os pregue a palavra de Deus?”. Desse momento em diante sempre passei a de alguma forma, pregar, falar, escrever, demonstrar algo sobre a existência de Deus e da vida cristã. Tenho respostas de pessoas que se converteram e mudaram suas vidas, através de algum tipo de trabalho que eu tenha feito ou participado. Fico feliz mas não terminei meu trabalho, só terminarei quando Cristo voltar…

Enfim, a única certeza de que tenho em tudo isso, é de que “O AMOR DE DEUS, NUNCA FALHA”. Nunca falhou em minha vida, nunca falhará. Talvez essa seja a única certeza que me dá forças para acreditar nas pessoas, na mudança de vida e de preencher o vazio que existe na humanidade, pessoa por pessoa, aos poucos, mas sempre deixando algo de bom e ajudando a mudar a vida de cada um que cruzar meu caminho. Existe uma frase que se usa em redes sociais e palestras que diz que cada pessoa que passa por nossa vida, deixa um pouco de sí e leva um pouco de nós, eu peço a Deus que eu sempre venha a deixar um pouco de Deus e leve comigo a certeza de que cumpri meu pequeno papel. Convido a você a fazer o mesmo!

Jesus Cristo ontem, hoje e sempre, será o mesmo e Seu amor, jamais falhará.

Abraço a todos.

Luiz Soper

(Escrito dia 21/12/2015 – as 02:50 a.m – Música de inspiração: “Light of Your face” – Jesus Culture)

Cabeçalho True Lives 600px

Share Button